terça-feira, 23 de outubro de 2012

Achado para perder

Série uma tentativa - Capítulo 2


Você deve estar ansioso por nossa conversa, mas sente-se um pouco, preparei um café para você. Tem leite, pão, achocolatado, frutas. Fique a vontade! Vou ao quarto pegar umas coisas que gostaria de lhe mostrar. É algo especial, sempre que posso mostro. Não, não sou exibicionista, apenas gosto eu vejam e que pensem sobre. Talvez uma forma de elevar minha estima. Um minuto.

Olhe! Bonito não é? Fiz quando tinha 9 anos. Naquela época eu ainda não sabia o que era um diário e nem me passava pela cabeça o que era Conhecer um livro. Sim, eu via muitos, mas quase não tinha intimidade com eles. Lia muitas revistas e os cadernos da escola ficavam surrados porque eu mexia o dia inteiro. Isso mesmo! Eu não sabia sobre os  livros, mas sabia o que era gostar das palavras. Digamos que era uma relação quase intima.

Um dia olhando as revistas eu percebi que tinham umas imagens legais, tipo essas que você está vendo ai. Com um desenho, um nome grande, outros pequenos, e do lado alguma coisa escrita sobre, dizendo aqui você encontra... 

Gostei da ideia e resolvi recortar tuas figuras daquelas para fazer um caderno onde eu pudesse escrever algumas coisas. Era mais ou menos o inicio do que eu chamo de eumergência poética. Cortei algumas folhas do caderno no tamanho das capas e fui colando, colando, colando, até obter o número de folhas que eu achava que ia precisar...

Depois de pronto o caderninho fui arrumando o que escrever, eram frases que eu lia, coisas que eu pensava, meu nome... É verdade!!! Meu nome aparecia em todas as folhas quase que uma obrigação! Era interessante escrevê-lo.

Fui fazendo os caderninhos e escrevendo o que gostava e quando as folhas acabavam eu ia nas revistas e recortava outras capas e novos cadernos ia surgindo. Muitos, na verdade.

Sim, minha eumergência, Não demorou muito até que eu encontrasse os caminhos dos livros. Uma amiga que eu tinha disse que gostava de ler e me levou a biblioteca da escola, eu não acreditei que ainda não havia ido aquele lugar, chegando lá me mostrou um livro, disse que era pra eu ler e depois devolver ali. Eu levei, li, mas esqueci de devolver.

Olhe, é este!

O pássaro de ouro... Meu primeiro livro, meu esquecimento no mundo das letras. Rsrsr. Ué você já vai? Que pena. Bom, amanhã terei mais coisas para contar, se quiser passar por aqui...


2 comentários:

  1. O meu primeiro livro... sem dúvida que me lembro dos primeiros livros mais sérios que li.

    ResponderExcluir

Estou feliz demais com a tua visita!
Fique à vontade!

Obrigada!
R. Vieira