terça-feira, 30 de outubro de 2012

Reencontro

Uma Tentativa - Capítulo 10

Nossa!!! Ainda bem que você chegou. Estou a suar frio. Sim, sim, está tudo bem no escritório o problema está comigo! Venha! É melhor que você escolha um local bem agradável para sentar-se. 

Pois bem, fui lá, atendi o paciente que estava marcado e depois que ele se foi fiquei um pouco mais organizando uns papéis, as agendas telefônicas.... O tempo passou que nem percebi. 

Já estava escuro quando levantei então, peguei minha bolsa e fui saindo. Tranquei a porta do e quando virei para seguir viagem dei de cara com o proprietário da sala em frente. 

Quando o vi fiquei meio tonta, minhas pernas tremeram, tive que me apoiar-me na porta para não cair. Tinha a sensação de que conhecia aquela pessoa de algum lugar, mas estava confusa. Sabia, apenas, que a  conhecia, pois estava a sorrir-me. Foi assim, que dentro dos segundos, que mais me pareceram séculos, minha mente ajudou-me a lembrar que aquele era o Renato.

Tive que recompor-me, sem que ele se apercebesse de minha confusão. Afinal fazia m quatro anos que não nos encontrávamos e ele, diferente de mim, parecia bem feliz.  Deu-me um beijo e um abraço e sem que eu nada dissesse perguntou se aquele ali era meu novo consultório. Eu disse que sim e ele, de novo, interrompendo-me, disse que queria conhecê-lo fazendo-me abrir a porta para que entrasse. 

Eu não queria, mesmo! Entenda, eu não queria!!!!

Depois de quase espionar todo o ambiente perguntou se poderíamos tomar um café. Realmente ele não havia perdido a prepotência, pensei e em seguida apresentei-lhe a garrafa e os copos. Ele pegou dois copos. Eu disse que não queria, que havia tomado há pouco, mas ele insistiu e me fez sentar  do lado dele no divã. Contou-me sobre suas viagens, sobre os projetos maravilhosos que havia conseguido realizar... E eu ali, muda, ouvindo tudo, sem quase poder respirar. 

De repente. ele parou e me olhou sério, sem aquele sorriso quase que conquistador e disse que estava radiante por termos nos encontrado de forma tão natural e que provavelmente o destino estava a nosso favor.

Logo que ouvi isso levantei-me e pedi que parasse com aquela brincadeira e ainda acrescentei que estava atrasada para um compromisso. Peguei minha bolsa e pus-me em direção á porta, buscando conduzi-lo à saída, mas ele me segurou pelo braço, me pôs junto ao seu corpo e interrompendo-me, novamente, a fala deu-me um beijo. 

Sim, eu perdi os sentidos, e quase perdi também a razão, mas tive forças para empurrá-lo e abrir a porta pedindo que saísse. Pois ele segurou a porta, se aproximou de mim, e quase que encontrando seus lábios nos meus, ( eu já podia sentir o cheiro de sua respiração) disse-me << eu sempre soube que você me amava. << avançou pela porta e me deixou ali, sem ar, sem razão e novamente sem vida. 

Nem sei como consegui contar-lhe tudo isso, nem como consegui pegar a direção do carro e voltar à casa. Está voltando, eu fugi, mas tudo está retornando... Eu não posso permitir, não posso. 

Renato agora é esposo da Cristine, eles sempre se amaram e é assim que tem que continuar.  Eu e Cristine crescemos juntas, somos amigas de infância. Isso não pode mudar, não pode....

H'm... Hoje falei demais... Desculpe-me, mas quando você chegou fiquei aliviada em poder contar tudo. 

Obrigada por me ouvir. 

Um abraço!

16 comentários:

  1. Olá R.,

    Um bom ensaio. Mostra a inquietude da personagem.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rovênia, grata por tua leitura!!!
      Bjus

      Excluir
  2. Quase! Por pouco resistiria ao beijo. Ai, ai ai!
    Pessoas mestres em terminar um momento com uma frase sem nos dar uma chance de falar (como se conseguíssemos rsrs).

    Muito bom.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe. Pessoas, pessoas... Grata pela leitura Luiz Felipe. ;)

      Excluir
  3. Olá Vieira,

    Bem vindo lá! Por aqui já fiquei!

    bjsMeus
    CAtita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Catita,
      Bem vinda por aqui também!!!
      Abraço grande!

      Excluir
  4. Muito bom poder desabafar...
    Delícia sentir essa tesão maravilhosa de reencontrar o que tanto se amou...
    Cuidado...se houve uma separação,haverão outras...ainda mais que o cara é convencido demais e muito seguro de si e tu........carente e insegura!
    Não vai ser fácil,mocinha...
    O tempo é que dará a última palavra!
    Obrigada por me seguires...já faço o mesmo no teu..
    Bem vinda em meu blog e em meu coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Crista,
      Gostei muito de tua visita.
      Vamos dar tempo ao tempo!
      Um beijo!!!

      Excluir
  5. Essa proximidade dos corpos é avassaladora, ninguém resiste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =) Concordo contigo S*
      Essas proximidades são bem perigosas!

      Excluir
  6. O amor em qualquer situação é por si só muito complexo,ainda nestas circunstância pode ser ainda mais.A arte da conquista é deslumbrante, portanto vale a pena tentar, correr qualquer risco.Sera? Beijo grande do BYJOTAN, que segue seu cativante blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por seguir BYJOTAN, alegre demais com tua presença por aqui. ;)

      Excluir
  7. Amei o texto ♥.♥

    http://www.leferblog.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ;) Grata Fernanda. Também adorei teu blog!

      Excluir
  8. De mim para ti....
    Do meu blog para o teu...
    http://4.bp.blogspot.com/-MAxZVetK0qo/UJGBQ98BssI/AAAAAAAAJ_I/u91MKNtWzk8/s220/eubabonoteublog_copy_jpg1AZUL.jpg
    Se tu não gostastes...paro de babar....rsrsrsrsrs...
    Beijo-te!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo, Crista! Adorei o presentinho. ;)
      Já. já colocarei aqui no blog. Um abraço!

      Excluir

Estou feliz demais com a tua visita!
Fique à vontade!

Obrigada!
R. Vieira